PORTO DE PEDRAS – Alagoas

PORTO DE PEDRAS – Alagoas

Porto de Pedras

A localização entre o mar e uma encosta de pedras fez com que o município tivesse trêsnomes: Porto Real, Águas Belas e Porto de Pedras. A colonização portuguesa contribuiu para o início do povoado, a história de Porto de Pedras está ligada à de Porto Calvo. Durante a guerra, invasão e domínio, até a expulsão, os moradores de Porto de Pedras participaram do movimento contra os holandeses. Pela barra e pelo porto passavam ou ancoravam embarcações inimigas e aliadas, vindas de Recife com alimentos e munição. No dia 14 de maio de 1633, guiados por Calabar, os holandeses entraram em Porto de Pedras, destruindo embarcações portuguesas e incendiando o povoado.

Por um alvará régio em 5 de dezembro de 1815, o povoado foi elevado à categoria de vila, desmembrado de Porto Calvo. Em 1864, a vila foi suprimida e anexada a Passo de Camaragibe. No ano de 1868 foi restaurada e em 1921, através da Lei 903, transformou-se em município.

Até meados da década de 60 era roteiro de viagem para Recife. Possuía estaleiros e sua importância para a navegação marítima é tão grande, que a Marinha instalou no lugar um farol, para orientação de navios.

Porto de Pedras atrai por suas belezas naturais e características culturais de seu povo. Um ponto de encontro é a travessia do rio Manguaba de barco ou balsa para Japaratinga, com uma paisagem rica em manguezais e coqueirais. As praias do Patacho e Tatuamunha são redutos de namorados. Há ainda as praias de Crôa do Tubarão e Porto de Pedras, além da bela paisagem do farol, os antigos engenhos de cana e casas grandes dos coronéis.

Porto de Pedras é uma pequena e singela cidade, que tem em suas instalações rústicas e simples um dos principais atrativos da região.
Esculturas em madeira e peças da fibra do coqueiro caracterizam o artesanato da região. Aproveite a visita e conheça o Projeto de Preservação Peixe-Boi.

Praia do Patacho
A praia pouco explorada já foi eleita uma das três mais bonitas do país por revistas especializadas em Turismo. Apesar da pouca estrutura de bares e restaurantes no local, a vista surpreendente e a calmaria da maré baixa compensam o passeio.
Em Tatuamunha, mais beleza e sossego. A rota ecológica termina no encontro do mar com a água doce do rio.

VALE A PENA CONHECER!

VEJA HOTÉIS & POUSADAS QUE A ROTEIROS BR INDICA PARA VOCE!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

nineteen − 5 =

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Instagram