CRUZEIRO DO IGUAÇU – Paraná

Em 1935, Atanásio Pires, morador de Barro Preto (cidade de Coronel Vivida), veio do Estado de Santa Catarina com a intenção de cultivar frutas cítricas, em especial laranjas. Passou então a procurar um local apto para o desenvolvimento desta cultura. Partindo de Vista Alegre pelo Rio Chopim, numa canoa, após dias de viagem, chegou numa região de saltos e cachoeiras, onde parou e aportou. Construiu um casebre e voltou para Barro Preto buscar a família, considerando o local ideal para o plantio das frutas, sendo ainda conhecido por muitos como o Laranjal do Pires.

Para o sustento da família, o morador utilizava-se do que a natureza oferecia em abundancia no local, uma região coberta de mata nativa: a caça e a pesca eram fatores significativos na alimentação da família. Com isso ia conhecendo o território a e ele atribuindo suas nomeações, algumas históricas.

Na primeira “descoberta”, Atanásio Pires percebeu a existência de um rio, este bem próximo àquele por onde veio à esta região, denominou-os de Dois Vizinhos. O morador passou a tirar couro dos animais e a vender em Vila Nova (cidade de Pato Branco), utilizando-se para isso do transporte fluvial. No local da venda identificava-se como morador de Dois Vizinhos, já que a abundância de couro despertava a atenção dos compradores, fato esse que atraiu caçadores e fez com que chamassem o local de Dois Vizinhos.

O nome Rio Canoas que estabelece a divisa dos municípios de Cruzeiro do Iguaçu e Boa Esperança do Iguaçu é fruto do encontro de uma árvore Timbaúva – barra do rio, da qual o primeiro morador construiu uma canoa de 12 metros de comprimento e um metro de largura, na parte que compunha o revezo da galhada, fez a proa e na parte de revezo das raízes, fez o bico, de modo que a canoa ficou resistente impedindo as rachaduras tanto na ponta quanto no leme, daí o nome do rio.

Durante uma caçada, em um só dia foram mortas 12 antas as quais, depois de mortas, foram jogadas na água. Desse episódio, surgiu o nome Rio Doze Antas, afluente do Rio Canoas.

Numa época de muita chuva, Atanásio Pires acompanhado por seus filhos, Joaquim, Ricardo e Antônio, seguiram pela costa dos Rios Chopim, Iguaçu e Canoas até a barra do atual Rio Cruzeiro do Iguaçu. Naquele local permaneceram por vários dias, não se sabe exatamente quantos, sem pegar caça alguma. A fome que já era insuportável fez com que os seus filhos propusessem matar um dos cachorros. Atanásio concordou solicitando que fosse morto o mais gordo e ruim. Como nunca bebia, tomou alguns goles de cachaça canforada e dormiu enquanto o alimento era preparado pelos filhos.

Os filhos alimentados, saíram do local e logo avistaram um veado pardo. Nessa passagem, Atanásio disse aos filhos: – “A partir de hoje matamos somente a caça que podemos comer”, considerando aquele episódio um castigo pela morte das 12 antas lançadas ao rio. Em razão desse acontecimento nomeou o rio de Miserável e mais tarde, com a chegada de outros moradores, chamou-se “Povoado Miserável”.

Atanásio se apossou de um território de cerca de 8.060 hectares de terra compreendidos entre a barra do Rio Chopim, descendo à barra do Rio Canoas e subindo até o Rio Miserável (Cruzeiro do Iguaçu). Seu “império” perfazia mais de 50% do território de Cruzeiro do Iguaçu.

Decorridos quatro a cinco anos, chegou o segundo morador, Felipe Gaudinski, que fugiu do Rio Grande do Sul após envolver-se numa briga. Refugiado na mata, sem saber para onde ir, escondeu-se no alambique de um caminhão carregado de mudança e sem ser visto, chegou ao Paraná. Seguindo a mata adentro se encontrou com Atanásio do qual comprou um pedaço de terra.

O terceiro morador foi Turtuliano Dias, conhecido por João Padilha. Este colocou a primeira balsa, cujo objetivo era efetuar a travessia de cavalos roubados trazidos do Estado de Santa Catarina por dois elementos conhecidos como Gregório e Bernardo Caroço e vendidos na Colônia de Campo Novo (Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul). Em pouco tempo, a policia de Clevelândia tomou as devidas providências afundando a balsa.

Com a chegada de outros moradores que adquiriam um pedaço de chão, como as famílias Miranda (1955), Vieira e a de Ricardo Ferreira, primeira pessoa a chegar nas terras que pertencem ao perímetro urbano de Cruzeiro do Iguaçu. Foram abertas picadas e dividiram-se áreas de terras em sítios, que por sua vez foram vendidos pelos pioneiros que aos poucos chegavam ao local. Com a divisão das terras, logo o Povoado Miserável passou a chamar-se Divisor.

Um fluxo maior de migrantes ocorreu no ano de 1957. Nessa época, o Divisor (Colônia das Missões) pertencia ao município de Marrecas hoje Francisco Beltrão. No momento em que foi aberta a primeira estrada de acesso ao local, onde existia o cruzamento de duas picadas (estradinhas) que davam acesso ao Rio Iguaçu, um chefe de Viação e Obras, denominado Roberto Grando, nomeou o local como Cruzeiro do Iguaçu.

Em 28 de novembro de 1960  Dois Vizinhos foi emancipado, passando Cruzeiro do Iguaçu à categoria de Distrito em 9 de abril de 1965 .

A área urbana foi definida em 1972, sendo que as primeiras casas construídas na Rua “H” (Avenida Treze de Maio), iniciaram o primeiro núcleo urbano. A ocupação foi ocorrendo linearmente entre a Rua “O” (Rua Atanásio Pires) e Rua “T” (Rua Deputado Arnaldo Busato e Avenida Treze de Maio).

Em 1976 foi asfaltada a estrada que liga Dois Vizinhos a Quedas do Iguaçu, o que motivou a segunda ocupação, entre as ruas Deputado Arnaldo Busato e Constantino Mezzomo e a Avenida Treze de Maio e a Rua Nossa Senhora da Saúde.

Pela Lei Estadual nº 9.232 de 26 de abril de 1990, Cruzeiro do Iguaçu foi elevado à categoria de município. Em 1º de setembro de 1991 realizou-se o plebiscito de desmembramento. A fundação deu-se em 1º de janeiro de 1993.

Venha Investir na Cidade

Conheça os Hotéis e Pousadas que a Roteiros BR
Indica para você na Cidade.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Instagram