ESPERANÇA NOVA – Paraná

ESPERANÇA NOVA – Paraná

No ano de 1925, a Companhia de Terras do Norte do Paraná adquiriu do Governo do Estado do Paraná, 450.000 alqueires de terras pela quantia de 8.712 contos de réis, era Governador nesta época o Dr. Caetano Munhoz da Rocha. Nesta aquisição estavam englobadas as terras pertencentes ao Município de Nova Esperança.

No início, saíram comitivas exploradoras para começarem a colonização, e assim sendo, conta-nos o Dr. Herman Moraes de Barros:

“No meado do ano de 1928, acompanhei meu pai (Antonio Moraes de Barros), advogado e então Presidente da Companhia de Terras Norte do Paraná, em uma viagem as terras recém adquiridas do Governo do Estado do Paraná. A comitiva era composta por Arthur Thomaz, Gerente administrativo de todo o empreendimento, Engenheiro Louis Reed, Consultor técnico, Dr. Gastão de Mesquita Filho, Engenheiro construtor da então Nova Estrada de Ferro São Paulo, Heitor Machado, grande conhecedor de terras e amigo de meu pai.

Partimos de Presidente Prudente em dois fordecos e percorremos cerca de 100 Km, uma estrada com as piores condições possíveis, atingindo a tardinha as margens do Rio Pirapó, hoje denominado Porto Ceará. Cruzamos o majestoso rio em uma pequena balsa, construída por duas canoas sobre as quais existiam duas bicas que deveriam sustentar os veículos. A entrada na balsa constituiu uma verdadeira proeza dos dois motoristas, pois apesar da aspereza do terreno e precariedade do pequeno pontilhão, deveriam acertar as rodas dos veículos exatamente nas bicas, sob a pena de caírem no rio.

Do outro lado rio estava-nos reservada uma agradável surpresa, pois a estrada construída pela Companhia era de primeira ordem. Percorremos cerca de 30 km, até uma pequena derrubada na mata virgem, onde havia uma boa casa de madeira, primeira sede dos Ingleses no Estado do Paraná. A Estrada que havíamos percorrido já ostentava o seu nome tradicional de Estrada Inglesa. E a casa acolhedora, o pomposo nome de Hotel Pirapó.

O dia seguinte foi dedicado a um justo repouso e no outro dia, pela madrugada, partimos nos fordecos por mais alguns quilômetros até o acampamento da turma que estava construindo a estrada. Depois do almoço montamos a cavalo e por um picadão, verdadeiro túnel dentro da mata frondosa, percorremos cerca de três horas, uma boa distância, quando atingimos um velho picadão na direção leste-oeste. Enveredamos pelo mesmo rumo oeste. Pouco adiante a beira do picadão, as margens do Córrego Bigui, deparamos com um pequena Capela construída de tijolos toscos e coberta de sapé. Sem porta, podemos ver que la dentro havia uma imagem tosca de um Santo (Sagrado Coração de Jesus), hoje padroeiro da cidade e restos de muitas velas, que ali tinham sido acesas. Ao lado da mesma muitos níqueis, que interpretamos como dádivas de passantes que não possuíam velas para pagamento das mesmas e outros passantes que por ventura as possuíssem. Representavam assim, aqueles níqueis, a esperança de que por ali passasse uma alma bondosa que pudesse acender uma vela por sua intenção, pagando-se com níquel que ali deixava depositado.

Alguns anos depois o local ficou conhecido com a denominação de Capelinha e por isso, quando chegou a abertura da cidade, quase vinte anos depois, muito acertadamente Arthur Thomaz, manteve aquele nome para a futura cidade que então se iniciava. A nova cidade deveria nascer a 40 km além de Maringá, na direção da “Brasileira”, hoje a cidade de Paranavaí.”

O município de Nova Esperança começou a ser povoado no início 1948, quando vieram correntes migratórias de todas as regiões brasileiras.

Venha Investir na Cidade

Conheça os Hotéis e Pousadas que a Roteiros BR
Indica para você na Cidade.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)

Instagram