Categoria: Paraná

JAGUARIAÍVA – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

JAGUARIAÍVA – Paraná

No início do século XVII, bandeirantes paulistas e tropeiros de gado fizeram as primeiras penetrações na região que constitui o território de Jaguariaíva. Essas entradas realizaram-se através do histórico Caminho de Sorocaba que de São Paulo conduzia a Viamão, na Província de São Pedro do Rio Grande do Sul. O nome da cidade é referência ao Rio Jaguariaíva que corta o município e consta em antigos mapas cartográficos.

Destacou-se o nome do coronel Luciano Carneiro Lobo, que em 1795 adquiriu a fazenda Jaguariaíva, propriedade rural que deu origem ao atual município. Em 15 de setembro de 1823 um Alvará Imperial elevou a Fazenda Jaguariaíva à categoria de Freguesia.

No ano de 1828, liderados por Dona Isabel e o coronel Lobo, a comunidade solicitou licença para a construção de uma capela, sob a invocação do Senhor Bom Jesus da Pedra Fria, prontamente concedida por D. Manoel Joaquim Gonçalves de Andrade, Bispo de São Paulo.

Francisco Xavier da Silva foi outro grande nome da historiografia regional, faleceu em 1829. Foi avô do dr. Francisco Xavier da Silva, governador do Paraná por várias vezes. Famílias ilustres deram continuidade ao progresso e contribuíram para a história do lugar, dentre as quais destacam-se as de Ferreira de Almeida, Mello, Fonseca, Ribas, Sampaio e Marques. Freguesia criada com a denominação de Jaguariaíva, por alvará de 15-09-1823 e lei de São Paulo n.º 7, de 06-09-1845, no município de Castro.

Elevado à categoria de vila com a denominação de Jaguariaíva, por lei provincial n.º 423, de 24-04-1875, desmembrado de Castro. Sede na povoação de Jaguariaíva. Constituído do distrito sede. Instalado em 26-06-1876. a Lei Provincial nº 717 de 09/12/1882, revogou as duas leis anteriores, voltando Jaguariaíva a sua situação primitiva, mais tarde, em virtude da Lei nº 15 de 21/05/1892, o município de Jaguariaíva passou terra do mesmo nome, pertencendo a comarca de São José da Boa Vista. Elevado à condição de cidade, por lei estadual n.º 811, de 05-05-1908. Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído do distrito sede.

ATRATIVOS DE JAGUARIAÍVA: O Brasil possui cânions de grande porte e beleza, atividade se trata de descer o rio em botes infláveis passando por muitas corredeiras, são cerca de 12km de percurso em 4:30 aproximadamente, com total segurança e uma equipe profissional, que te conduz nessa linda paisagem paradisíaca, com muita emoção e adrenalina, no oitavo cânion mais extenso do Mundo!

Cavalgada em Jaguariaiva Cavalgada da Serrinha – Os vales e paredões de Jaguariaíva embelezam os cenários rurais, e podem ser aproveitados em atividades relaxantes como a Cavalgada da Serrinha. Montados em cavalos dóceis, os participantes seguem um percurso que passa por rebanhos de caprinos e bovinos, por florestas, grandes pastos e travessia de riacho.

Trilha do Lago Azul com trilha aquática em JaguariaivaTrilha do Lago Azul com trilha aquática – Uma trilha com 2 belas cachoeiras, com poções para refrescantes banhos. A cachoeira do Lago Azul possui 25 metros de altura, e a das Andorinhas possui 13 metros de altura, com uma paisagem muito bela ao redor. Para prolongar a trilha e dar uma dose a mais de emoção, é feito um treinamento com equipamentos, para adentrar por trilha aquática no cânion da cachoeira Véu da Noiva (45m de altura), em uma paisagem digna de filme com paredões de cerca de 70 metros de altura.

JAGUAPITÃ – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

JAGUAPITÃ – Paraná

Na época histórica surgida com a afluência de pessoas de outros estados em direção às terras exuberantes situadas no setentrião paranaense, maravilhosamente propícias ao cultivo de toda espécie de cereais, notadamente ao do café, inúmeras eram as caravanas, com o objetivo exclusivo de escolhem áreas vastas e conjuntas em terras devolutas do Estado. Tais fenômenos migratórios tiveram registro na história do desbravamento dos ínvios sertões, então existentes, no atual território do município de Jaguapitã.

A sede do município, hoje próspera e bela cidade, surgiram em meados de 1.937, ano em que ali chegou uma caravana composta de várias famílias, das quais se destacaram as dos Srs. Antônio Pinto e Izaltino Rodrigues, consideradas como as fundadoras da localidade. Lançados os seus fundamentos, a localidade floresceu tão logo foi constituído o Patrimônio denominado São José dos Bandeirantes. Naquele mesmo ano, foi inaugurada a primeira casa comercial de propriedade do Sr. Izaltino Rodrigues, verdadeiro empório comercial com a denominação de Casa Branca.

Em 1.940, já a localidade no mais franco desenvolvimento, contando com inúmeras edificações, foi pelos moradores requerida ao Governo Estadual a medição das glebas do Patrimônio. Realizada por topógrafos da Secretaria da Agricultura, teve o Patrimônio o seu nome substituído para Colônia de São José dos Bandeirantes, que progrediu ainda mais, devido à afluência, nos anos de 1.941 a 1.943, de inúmeras outras famílias e de tal maneira cresceu que, pelo Decreto-lei n°. 199, de 30 de Dezembro de 1.943, foi elevada à categoria de Vila, com a nova e atual denominação de Jaguapitã. Foi a nova Vila instalada, a 1°. de Janeiro do ano seguindo, juntamente com a Agência Arrecadadora de Impostos, tendo como seu primeiro titular o Sr. Silvado de Melo.

Pertencendo, desde o início ao município de Sertanópolis, continuou a integrá-lo, até 1.947, época em que foi dele desmembrado para se constituir em novo Município, criado pela Lei Estadual n°. 2, de 10 de Outubro daquele ano. Teve como seu primeiro Prefeito, eleito em sufrágio popular realizado em 7 de Novembro de 1.947, o Sr. Alfredo Baticiato.

Do primitivo território municipal de Jaguapitã, foram criados, pela Lei n°. 790, de 14 de Novembro de 1.951, os municípios de Centenário do Sul, Lupionópolis e Santo Inácio; pela lei de n°. 253, de 26 de Novembro de 1.954, os de Cafeara, Guaraci e Itaguajé.

JACAREZINHO – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

JACAREZINHO – Paraná

As primeiras tentativas de colonização conhecidas datam do século passado, por volta de 1898. Um dos primeiros polos de desenvolvimento agrícola do Estado, sua colonização foi realizada por fluminenses, paulistas e mineiros. Sua riqueza maior provém do setor agropecuário e de prestação de serviços.

No início do século a maior cultura era a do café. Posteriormente, houve a substituição do café pelas lavouras de cana-de-açúcar, indústria de açúcar e álcool e pastagens. Novos produtos com cotação no mercado externo e interno como a soja, o algodão e o trigo, avicultura e suinocultura, vieram a partir da década de 70.

Emancipada à condição de Município através da Lei n.°522, de 02 de abril de 1900, recebeu inicialmente o nome de Nova Alcântara. Em 03 de março de 1903, através da Lei n.°471, recebeu o nome de Jacarezinho. Cidade Pólo, famosa pelas suas faculdades, escolas e atividades culturais, Jacarezinho é a capital estudantil da região.

Com a instalação da reitoria da Universidade Estadual do Paraná, a cidade conta com as faculdades de Filosofia, Ciências e Letras; Educação Física e Fisioterapia; e Direito, faculdades públicas pertencentes à UENP.

Geograficamente localizada em um ponto estratégico, com ligação rodoviária com as mais importantes cidades do Paraná e São Paulo, fica equidistante de Curitiba e da capital paulista – 400km. Dotada de excelente infraestrutura urbana, possui trabalhadores qualificados e competentes, solo fértil, com grande diversidade na produção agropecuária. Tem ainda uma moderna rede de comunicação – telefonias fixa e celular, internet, rádios AM e FM, agências bancárias, teatro, cinema, Ginásio de Esportes, Centro de Eventos e, o mais importante, a energia de sua juventude, fator vital para a construção de seu futuro.

Ao divulgar suas virtudes, o Município oferece aos interessados oportunidades de negócios com forte apoio da administração municipal, que deseja a instalação de empresas nos mais variados segmentos econômicos, a fim de contribuírem para o desenvolvimento local de maneira integrada e sustentável, gerando empregos e renda, preservando a qualidade de vida de sua população.

O jacarezinhense se orgulha de sua tradição de bem receber os visitantes, tanto aqueles que buscam por seus eficientes serviços ou produtos, como outros que aqui frequentam suas festas, eventos ou atividades religiosas.

Conheça Jacarezinho, com seus atrativos naturais – Morro do Cruzeiro, Parques Municipais e rios, ou ainda os maravilhosos afrescos de Sigaud, na Catedral Diocesana, a arquitetura local e, principalmente, o trabalho de nossa gente, nossos artesãos e nossos artistas.

ATRATIVOS TURÍSTICOS:
Catedral Diocesana: A igreja foi entregue à comunidade em 8 de outubro de 1949, pelo Bispo Diocesano Dom Geraldo de Proença Sigaud, que em 1954, convida seu irmão Eugênio de Proença Sigaud para decorar a catedral, cujo projeto é do arquiteto Benedito Calixto Netto.

Entre 1954 e 1957 o artista, um dos mais expressivos pintores do modernismo brasileiro, promoveu modificações na arquitetura da catedral e pintou 600m² de murais, onde se destacam entre outros: O Martírio de São Sebastião, A Justiça, A Providência, O Tributo do Povo do Paraná, O Sermão da Montanha e a Promulgação do Último Dogma de Pio XII. Sigaud retratou figuras do Velho Testamento, representando o povo da cidade, comerciantes, fazendeiros, congregados marianos, coroinhas e outros, além das tradicionais oliveiras que foram substituídas por pinheiros, cafeeiros e pela cana-de-açúcar.

Conheça também a Rota do Rosário que tem objetivo de divulgar o turismo religioso na região e promover o desenvolvimento das cidades. A Rota do Rosário integra seis municípios com sete atrativos religiosos.

JABOTI – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

JABOTI – Paraná

Os fundadores de Jaboti foram Antônio José de Azevedo e João de Paula, que fixaram residência naquele local, no findar do século passado. Mais tarde, lançaram os fundamentos do povoado, formando um Patrimônio que doaram à Nossa Senhora das Dores, padroeira local.

O atual território de Jaboti fazia parte da Fazenda Jaboticabal, nome este escolhido como denominação para a nova localidade, o qual foi abandonado por verificarem seus fundadores. A existência de outra cidade com o mesmo nome. Então, para conservar o nome tradicional da região, resolveram dar ao povoado a denominação de “Jaboti”.

Elevado à categoria de Distrito pelo Decreto nº 561, de 1º de dezembro de 1909, foi, em 19 de março de 1912, transformado em Distrito Judiciário, pela Lei nº 1110, daquela data, no Município de Tomazina.

Em 1929, foi elevado à categoria de município, sendo extinto, no entanto, em 1934. Em 1951 passou a integrar o território do Município de Japira e, em 1954, voltou a figurar como município autônomo.

IVATUBA – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

IVATUBA – Paraná

Os primeiros desbravadores, que aportaram na região em abril de 1948, efetuaram a abertura de uma “picada” na Água Paiçandu e iniciaram a formação de uma lavoura de café. A colonização deu-se a partir da iniciativa de Primo Francisco Mazzucco e Estevão Grasso, que adquiriram gleba de terras da empresa Pareja & Cia Ltda. Após a constituição da firma Grasso & Mazzucco Ltda, o patrimônio já estava formado, com traçado urbano e promissora venda de lotes urbanos e rurais.

Os primeiros moradores do povoado foram Santo Presa e Leonildo Coral, vindos em 19 de agosto de 1949, de Santa Catarina. O município é essencialmente agrícola, com terras produtivas e agricultores conscientes, os quais desenvolvem um trabalho de forma a destacar-se como uma das cidades públicas com a melhor conservação do solo. Seu Aterro Sanitário serve de modelo regional mostrando a preocupação ambiental da comunidade. Mais de 90% das ruas são asfaltadas, tem excelente arborização, belas praças, recanto de paz e de tranquilidade e até mesmo o cemitério local foi remodelado e apresenta um paisagismo agradável, fazendo do local uma referência do município.

IVATÉ – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

IVATÉ – Paraná

O Município de Ivaté está inserido na Micro região Noroeste do Estado do Paraná, no 3º planalto de Trapp, com área de 407,3 km. Quando a localização hidrográfica esta na abrangência da Micro bacia do Rio Ivaí. O clima incidente é o subtropical úmido Mesotérmico, verões quentes com concentração de chuva no inverno ameno com geadas poucos freqüentes.

Em meado da década de 90 instalou-se em Ivaté uma usina de álcool que beneficia a cana- de- açúcar, provocando a expansão desta lavoura que atualmente chega a ocupar 70% da cobertura vegetal do município.

A usina é muito influente no município, a população urbana é composta de mistos trabalhadores rurais diaristas (bóias frias) que atendem a demanda de mão de obra da colheita. Esta demanda é complementada por uma migração sazonal de aproximadamente 400 vindas de Minas Gerais e Bahia e da redondeza, as se deslocam a procura de trabalho no corte de cana-de-açúcar. Em razão deste contingente populacional a própria usina está construindo loteamentos habitacionais de interesse social, para atender seus trabalhadores. Ivaté possui potencial turísticos significativo pois os rios que cercam o município têm potencial pesqueiro e outras atividades de lazer.

Tendo como Festas Típicas do Município o Réveillon , Carnaval de Rua, Aniversário do Município, Festas Juninas, e no distrito de Herculândia Feijoada, Rodeio, Cavalgada. Em 02 de Maio de 1989, através da Lei Estadual Nº 8.970, sancionada pelo Governador Álvaro Fernades Dias, foi criado o Município de Ivaté, com território desmembrado do Município de Umuarama. A Instalação deu-se no dia 01 de Janeiro de 1.993.

IVAIPORÃ – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

IVAIPORÃ – Paraná

Ivaiporã, a 383 quilômetros de Curitiba, é considerada o município polo no Vale do Ivaí, com população estimada em 32.035 pessoas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A cidade é conhecida pelas ruas bem planejadas e longas avenidas. O município tem um comércio forte e diversificado, que é impulsionado pelo agronegócio, com a produção de soja, trigo, milho, café e pecuária leiteira. Lugar de muitas belezas naturais e paisagens incríveis, onde há conscientização e preservação do meio ambiente. Conheça!

No município, as áreas verdes estão relacionadas à qualidade de vida da população, por exemplo, a Estação Ecológica Faian, Horto Florestal Cayuá, Parque Ambiental Jardim Botânico e o Lago das Flores – além de praças que são preservadas com paisagismo.

Em Ivaiporã, visite as paróquias Santíssima Mãe de Deus, Espírito Santo ou Bom Jesus, além da Assembleia de Deus e a Igreja Ucraniana.

No setor do turismo, o município se consolida no segmento de eventos esportivos e recebe anualmente competições estaduais, como Jogos da Juventude do Paraná, Jogos Escolares do Paraná, Festival Paraolímpico, Campeonato de Skate e Campeonato de Fanfarra.

Anualmente, os amantes de aventuras participam da Caminhada na Natureza de Ivaiporã, que inclui passagem por lavouras de trigo e de eucaliptos, araucárias e perobas, propriedades rurais de agricultores familiares, matas nativas, cachoeiras, lagos e muito mais aventuras.

Em Ivaiporã, a administração municipal oferta transporte público gratuito à população, que circula pela cidade e nos distritos do Jacutinga, Alto Porã e Santa Bárbara.

Jacutinga é um dos distritos de Ivaiporã onde predomina a plantação de café. O local passou a ser premiado no cenário estadual e nacional devido à qualidade da produção dos grãos.

O desfile de 7 de Setembro é considerado um dos mais tradicionais no Vale do Ivaí. Organizado pela administração municipal, o ato cívico reúne 50 instituições do município e atrai centenas de crianças, jovens e adultos nas ruas.

Parque Ambiental Jardim Botânico, o espaço integra os bairros e o Centro de Ivaiporã, proporcionando lazer à comunidade e visitantes. É também local para confraternização das famílias e prática esportiva.

Lago das Flores, um dos principais pontos turísticos de Ivaiporã. O espaço foi revitalizado com obras de iluminação, calçamento, pista de caminhada de 1,2 mil metros ao redor do lago, entre outras benfeitorias.

A melhor maneira de chegar a Ivaiporã é por meio da rodovia PR-466, que dá acesso ao trevo principal e secundário – divisa com o município de Jardim Alegre.

Ivaiporã também se destaca na área gastronômica! O visitante tem excelentes opções de restaurantes, pizzarias, lanchonetes e bares com música ao vivo.

IVAÍ – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

IVAÍ – Paraná

Por volta de 1850, começaram a se estabelecer no território onde hoje se localiza Ivaí, os primeiros imigrantes europeus, principalmente poloneses, alemães e holandeses. Estes fundaram as colônias de Taió, Ivaí e Bom Jardim que formavam o povoado de Ipiranga. Em 7 de dezembro de 1894 Ipiranga foi elevada á Vila com área desmembrada do município de Ponta Grossa. Pelo decreto-lei estadual número 199, de 30 de dezembro de 1943 o distrito de Bom Jardim passa a se chamar BituMirim.

Pela lei estadual número 4382 de 10 de junho de 1961, desmembra do município de Ipiranga o distrito de Ivaí. Elevado a categoria de município. Pela lei estadual número 5295, de 21 de março de 1966, transfere o distrito de Bitumirim do município de Ipiranga para o município de Ivaí. Pela lei estadual número 5301, de 22 de abril de 1966, o distrito de Bitumirim passou a denominar-se Bom Jardim do Sul.

A economia de Ivaí atualmente baseia-se no setor primário com destaque para a agropecuária. A extração da erva-mate é uma atividade significativa, representando uma das importantes fontes de renda de Ivaí.

ITAÚNA DO SUL – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

ITAÚNA DO SUL – Paraná

A fundação de Itaúna do Sul foi obra da imobiliária Ferreira e Toledo Piza Ltda, da cidade de Tupã, estado de São Paulo. A fertilidade do solo, a subdivisão de terras em pequenos lotes para a formação do patrimônio, que recebeu a denominação de Itaúna.

Os primeiros moradores do povoado, entre outros, foram José Xavier Chagas, Pedro Martins Plaza, Júlio Ramos e Silva, Sebastião Soares de Lima, Tsuneji Takahashi e André Romão. Em 1958, o povoado foi elevado à categoria de distrito administrativo, pertencente ao município de Nova Londrina, e, em 1961, alcançou sua autonomia política – administrativa, com a denominação de Itaúna do Sul. ″Itaúna″, de origem tupi – guarani, significa: ″pedra dura″.

ITAPERUÇU – Paraná
Artigo
Fevereiro 18, 2021Fevereiro 18, 2021

ITAPERUÇU – Paraná

À 38 Km da capital do estado, faz parte da região metropolitana de Curitiba, e se confronta com os municípios de Rio Branco do Sul, Castro, Campo Largo e Almirante Tamandaré. Sua ocupação inicial foi realizada por famílias de origem italiana e posteriormente por mascates de origem árabe. Região predominantemente agrícola, possui atividades também na extração de minerais, destacando-se a instalação das fábricas de cimento e calcário. Outro setor que se desenvolveu muito nos últimos anos, foi a extração e beneficiamento de madeiras.

Itaperuçu é vocábulo de origem indígena que significa ao pé da letra, ″fazer caminho da pedra grande″. Do Tupi-Guarani: Ita=Pedra; Peru=fazer; e ussu=grande. A referência se explica pela formação geológica da região, segundo o qual, os índios passavam pela localidade, onde existia um grande espaço com pinheirais e lago com água boa.